terça-feira, 15 de novembro de 2011

Virtudes para todas as idades


Respeito, honestidade, generosidade, tolerância, solidariedade, otimismo. Embora muita coisa venha mudando rapidamente, os valores éticos e universais permanecem e são fundamentais para o ser humano, em qualquer tempo ou espaço. No caso das crianças e dos adolescentes, os valores precisam ser ‘plantados’ pelos pais em meio às cenas do cotidiano. É dessa forma que as pessoas aprendem a colocar em prática conceitos éticos fundamentais de convívio, como gentileza, respeito, consideração, cooperação e solidariedade.

Entretanto, muitos especialistas reconhecem que, hoje, existe uma certa dificuldade em transmitir esses conceitos, em razão da grande quantidade de informações veiculadas diariamente, que reforçam a crise de valores essenciais e escancaram comportamentos antiéticos, como corrupção, falcatruas, atos de desrespeito às diferenças, aos mais velhos etc.

A competição e a cooperação são exemplos de valores. Alguns geraram guerras, holocaustos e discriminação racial. Outros construíram a democracia, a proteção à natureza e os direitos humanos. Existem conceitos éticos que sempre permearam diversas culturas em diferentes períodos da história. São os chamados valores universais.

Existem várias formas que permitem aos pais transmitirem esses valores a seus filhos. Um deles é reservar de 10 a 20 minutos por semana para uma boa conversa, com TVs, computadores e celulares desligados, para desenvolver aqueles conceitos que deseja. Trata-se de um momento em que os pais podem separar histórias para contar ou escolher alguma atividade prazerosa, que possa gerar uma discussão. Nessa hora, o importante não é dizer o que é certo ou o que é errado. Vale fazer perguntas, induzindo a criança à reflexão. Esse tipo de “atividade extra”, no entanto, não desvaloriza a informalidade, as brincadeiras e os bate-papos em família que acontecem diariamente.

Confira, a seguir, uma série de dicas e sugestões para criar seus filhos com valores essenciais e atitudes éticas.

Amizade
Os pais podem e devem ajudar os filhos a formar amizades, mas sem se intrometer demais. Por exemplo: organize brincadeiras com os amigos de seus filhos e idas a parques ou clubes, se eles forem pequenos. Quando são maiores, incentive-os a convidar os amigos para irem à sua casa ou para alguns passeios em família. A melhor maneira de desenvolver amizades é proporcionar atividades que os agradem.

Amor à Natureza
Mesmo no estreito limite de um lar, pais e filhos podem organizar campanhas para economizar água, reciclar lixo, limpar trechos de uma praia, evitar o desperdício etc. E mais: faça um passeio pelo campo ou por uma praça, sugerindo fotos de animais, árvores vistas de perto ou olhadas como integrantes de uma paisagem.

Auto-conhecimento
As crianças adquirem um senso mais apurado de seu próprio lugar no mundo quando passam a conhecer as tradições familiares. Elas amam ouvir histórias sobre si mesmas, pois, de alguma forma, esses relatos enfatizam o quanto o protagonista (elas mesmas) é especial para o narrador (os pais).

Cooperação
As crianças se sentem incentivadas a cooperar quando percebem que os pais compreendem o ponto de vista delas. Assim, elas se dispõem a ouvir e a trabalhar para solucionar o problema. Para isso, expresse compreensão pelo modo como seu filho pode estar se sentindo. Verifique com ele se a sua percepção está correta e demonstre que o entende. Não é preciso concordar. Exponha seus sentimentos. Pergunte se estaria disposto a trabalhar numa solução junto com você e se ele tem alguma idéia sobre o que fazer no futuro para evitar o problema. Se não tiver, apresente algumas sugestões e veja com o que ele concorda.

Coragem
É uma virtude essencial. Uma criança mostra-se valente quando assume libertar-se da chupeta ou quando cede à injeção dolorida. Uma maneira admirável de despertar uma criança para isso é sugerir ‘metas’ e propor desafios. Por exemplo: “Vamos explorar o parquinho? Eu vou acompanhá-lo(a), mas você será o chefe da exploração. Você escolherá as trilhas e eu faço uma relação de itens que deverão ser observados e, ao final de nossa exploração, você poderá responder a uma porção de perguntas que farei sobre eles”. Inclui-se na lista, por exemplo, onde estava uma árvore bem alta? Qual o tronco mais grosso? Esse tipo de atividade impulsiona a criança ao prazer da aventura e da descoberta, desperta-lhe o sentido de liderança, mas garante a segurança de um acompanhamento e de intervenção, se necessário.

Honestidade
Uma boa maneira de ensinar este valor é enfatizar e elogiar quando seu filho ou alguma pessoa próxima demonstra essa qualidade. Para isso, é fundamental criar momentos relaxantes, que gerem conversas em que as crianças falem sobre o que está acontecendo em suas vidas. Dedique pelo menos uma parte do dia aos seus filhos: pode ser caminhar até o ponto de ônibus, estar presente na hora do jantar, ou reservar dez minutos para conversarem na hora de ir para a cama.

Paciência
É muito bom que uma criança coloque suas emoções em uma espera, mas ter paciência é algo que deve ser cultivado e aprendido. Uma forma de trabalhar a ansiedade é conversar calmamente sobre a possibilidade de que ocorra ou não o que ela tanto espera. Por exemplo, se a criança aguarda o resultado de uma decisão esportiva, eis uma oportunidade muito boa de conversar com ela sobre a eventualidade da vitória ou da derrota.
Coloque para ela algumas questões: “Claro que é gostoso ganhar, mas, por acaso, quando uns ganham, outros não perdem?”; ou “O que significa, para você, perder?”; ou “O que seria, para você, uma perda muito maior do que a derrota de seu time favorito?”.

Persistência
Vencer um desafio ou alcançar um objetivo são situações que inspiram orgulho, confiança e amor-próprio. O segredo para ajudar seus filhos a entenderem que o sucesso é alcançável está na definição que você dá à palavra realização. Incentive-os a buscar a excelência mesmo nas tarefas modestas. Elogie sua persistência e técnica, assim como suas realizações nos esportes, artes, voluntariado e estudos. As pequenas conquistas os convencerão de que são capazes de fazer bem qualquer coisa. Mas lide de forma pragmática com as frustrações. É necessário aprender a subir e a cair para conseguir progredir.

Respeito
Esse valor entre as pessoas deve ser aprendido desde os primeiros meses de vida. Uma das formas de ensinar o respeito é os pais colocarem em prática as estratégias de resolução não-violenta dos conflitos em relação a si mesmos e às crianças. Isso quer dizer: acalmar-se, escutar, utilizar uma linguagem respeitosa, diferenciar o problema da pessoa, saber defender as posições respeitando os sentimentos da outra parte, saber pedir desculpas quando se comete uma falta e buscar acordos.

Responsabilidade
Na educação para a responsabilidade, as conseqüências são muito mais eficazes do que os castigos. Isto é, primeiro os deveres, depois os prazeres (‘quando terminar o trabalho da escola, você pode ver TV’); estragou, tem de consertar (‘sei que você não derramou o suco de propósito, mas precisa limpar esta mesa’); usou, tem que colocar no lugar (‘pegue a calça que você jogou no chão e ponha no cesto de roupa suja’).
A conseqüência tem uma ligação lógica e imediata com o que foi feito de errado ou deixou de ser feito, com o propósito de corrigir o erro ou a omissão. Precisa ser enunciada com firmeza. Cumprir a conseqüência determinada é condição para desfrutar os privilégios desejados.

Para assistir, ler e aprender
·         Sugestões de filmes e livros que tratam sobre valores universais
·         Irmão Urso, desenho animado da Disney. Kenai é um jovem que é transformado em urso e aprende importantes lições de vida.
·         Formiguinhaz, desenho da Dreamworks sobre Z, uma formiguinha questionadora, que procura um lugar melhor para viver. Aborda o respeito à vida.
·         O Tesouro das Virtudes para Crianças, de Ana Maria Machado (Ed. Nova Fronteira). Coletânea de textos de Machado de Assis, Olavo Bilac e outros.
·         Viagem pelo Brasil em 52 Histórias, de Silvana Salerno (Ed. Cia. das Letrinhas). Reúne lendas e contos populares tradicionais de nosso país.
·         O Livro das Virtudes para Crianças, de William J. Bennett (Ed. Nova Fronteira). Coletânea de contos e poemas sobre os bons valores.

Nenhum comentário:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *